A coordenação do projeto está sediada no Laboratório de Neurobiologia II do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (UFRJ) com múltiplas interações com outros departamentos da UFRJ e da UFF e intercâmbios internacionais.

Investigação de substratos neurais e comportamentais da reatividade defensiva e da motivação pró-social.

A emoção pode ser considerada como uma predisposição para a ação. A identificação de pistas de segurança ou de ameaça disparam processos fisiológicos voltados respectivamente para comportamentos apetitivos ou defensivos. Predisposições motivacionais automáticas são continuamente evocadas pelas pistas ambientes, de maneira involuntária e inconsciente, e exercem forte efeito nas decisões e comportamentos. Duas linhas de investigação principais integram este projeto: (I) Modulação neural e comportamental em contextos de vinculação social: efeitos deletérios do isolamento social; (II) Investigação do processamento neural de pistas de segurança no Transtorno de Estresse Pós-traumático. Utilizamos neuroimagem funcional e eletrocardiografia para pesquisar o processamento de pistas de segurança no transtorno de estresse pós-traumático e registros eletroencefalográficos e tarefas comportamentais para investigar o engajamento perceptual e motivacional associados a vínculos sociais e as implicações relacionadas ao isolamento social.

Modulação neural e comportamental em contextos de vinculação social: efeitos deletérios do isolamento social.

De uma perspectiva evolutiva, responder prontamente a pistas pró-sociais tem um grande valor adaptativo, uma vez que favorece a manutenção de vínculos sociais, garantido a sobrevivência das espécies sociáveis. A ausência de um sistema eficiente para interagir socialmente pode levar a sérios prejuízos incluindo a exclusão e o isolamento social, contribuindo para uma constelação de disfunções físicas e psiquiátricas e/ou fatores de risco psico-sociais. O contato social tem um importante papel na saúde física e mental ao longo da vida. Embora seja indiscutível a importância das interações sociais para a sobrevivência e bem estar dos indivíduos, ainda é insuficiente a literatura sobre os mecanismos biológicos subjacentes e sobre os efeitos tóxicos associados ao isolamento social. Este Projeto visa contribuir nesta direção e, como desdobramentos, a divulgação dos resultados e esclarecimentos acerca da importância das interações sociais positivas, incluindo contato físico, desde a infância até a velhice, tem potencial para atuar na prevenção do isolamento social e seus efeitos deletérios.

Investigação do processamento neural de pistas de segurança no Transtorno de Estresse Pós-traumático.

A crescente violência nas grandes cidades é uma das principais preocupações da sociedade brasileira atual constituindo um problema de saúde pública. O transtorno de estresse pós-traumático, uma das principais sequelas da violência urbana, é altamente prevalente, incapacitante e de difícil tratamento. O Projeto pode contribuir para preencher lacunas entre pesquisa em humanos e outras espécies e para auxiliar o desenvolvimento de abordagem dimensional transdiagnóstica deste transtorno. Espera-se que a identificação de potenciais biomarcadores de neuroimagem e de resposta cardíaca em transtorno de estresse pós-traumático associados às redes neurais que processam contextos de segurança promova avanços no diagnóstico e possibilite o desenvolvimento de novas opções de prevenção e tratamento, fornecendo subsídios para ações de saúde pública no tratamento em saúde mental, especialmente o transtorno do estresse pós-traumático.

 

Organização Anátomo-funcional do sistema somestésico de mamíferos.

O sistema somestésico é um sistema sensorial responsável pela detecção e processamento de diferentes categorias de estímulos incluindo o tato, dor, temperatura e a sensação de posição e de movimento no espaço. Sua organização e função têm sido acessadas através das seguintes abordagens:

Mapeamento eletrofisiológico para identificação das diferentes áreas de processamento cortical da informação somestésica;

Injeção de neurotraçadores nestas áreas corticais para o estudo das conexões cortico-corticais e de suas relações com o tálamo sensorial (estação de processamento subcortical);

Estudo da distribuição de neurônios reativos à NADPH-diaforase em áreas somestésicas do córtex;

Tais abordagens têm sido efetuadas em marsupiais, roedores e primatas, com o intuito de fornecer um quadro comparativo abrangente do ponto de vista filogenético que permita a inferência de características comuns da organização do sistema somestésico de mamíferos. Esta linha de pesquisa tem sido desenvolvida através de colaborações com a Universidade Federal do Pará, Universidade Federal de Santa Catarina, Universidad Autonoma de Madrid e a Vanderbilt Universtity (EUA).

 

EQUIPE

Chefe de Laboratório

Eliane Volchan

 

Docentes

João Guedes da Franca

Fatima Cristina Smith Erthal

 

Pós-doutorandos

Vanessa Rocha Rego

Aline Furtado Bastos

 

Doutorandos

Camila Franklin Martins

Olga Grichtchouk

Marcio Luiz Nascimento Silva

Vânio Bonfim da Silva

 

Mestrandos

Luana Mello da Silva

Erli Gonçalves Magalhães Junior

Ester Maiolini Ribeiro